sexta-feira, julho 15, 2005

O feudo da doutora Heliana Jatene

Se existe algo que não comporta o benefício da dúvida é o apetite pelo poder e o mandonismo revelados por Heliana da Silva Jatene, a ex-mulher do governador, que é diretora geral da Escola de Governo. O tempo, sempre capaz de diluir mágoas, e a necessidade de priorizar a luta que travou contra um câncer de mama, parecem ter servido para aplacar os ressentimentos que eventualmente possam ter acompanhado o desfecho do casamento, por parte da ex-mulher de Simão Jatene. O que certamente explica a fidelidade incondicional de Heliana ao ex-marido, agora governador. Ao lado dessa dedicação a Jatene, ela se notabilizou por amparar na administração pública estadual, sem qualquer vestígio de escrúpulos, os seus parentes mais próximos.
Técnica reconhecidamente competente, com sua lealdade Heliana mantém indissolúveis os laços que atam Jatene a ela própria e à sua família, e em particular à sua irmã Heloisa da Silva Mota Pereira, ao marido desta, Paulo Sérgio Mota Pereira, a duas outras irmãs, Helena da Silva Silveira e Heliene da Silva, e a outro cunhado, Haroldo Costa Bezerra, casado com uma das suas irmãs, Helielza da Silva Bezerra. Com isso, pelo menos em termos de loteamento de cargos do primeiro escalão, quantitativamente ela leva uma pequena vantagem sobre a primeira-dama, em matéria de nepotismo.
Estão abrigados no feudo de Heliana a irmã Heloisa da Silva Mota Pereira, que historicamente serviu como chefe de gabinete de Jatene e na atual administração aboletou-se no gabinete da governadoria, em um certo Núcleo de Planejamento Estratégico, uma dessas pomposas denominações que servem de eufemismo para o que, em bom português, se define como sinecura, que vem a ser emprego ou função que não obriga ou quase não obriga a trabalho. Com a nova reforma do secretariado, Heloisa da Silva Mota Pereira foi catapultada para o cargo de secretária adjunta da Secretaria Executiva do Trabalho e Promoção Social (Seteps), na qual Heliana ainda introduziu, como diretora, mais uma irmã, Heliene da Silva. O médico Paulo Sérgio Mota Pereira, marido de Heloisa, foi nomeado diretor-presidente da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, sem que até então tivesse demonstrado qualquer pendor para as funções de administrador. Helena da Silva Silveira, outra irmã da ex-mulher do governador, foi acolhida na Escola de Governo, da qual migrou, com vantagens salariais, naturalmente, para a empresa pública Processamento de Dados do Estado do Pará (Prodepa). Já o engenheiro Haroldo Bezerra, ex-prefeito de Marabá, ex-deputado federal e ex-secretário executivo de Obras Públicas no governo do tucano Almir Gabriel, foi aquinhoado com o cargo de diretor-presidente da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), após amargar sucessivos tropeços eleitorais.
Mas a ex-mulher de Jatene não fica circunscrita ao nepotismo e exercita também o tráfico de influência: como cultiva a virtude da gratidão, Heliana foi a principal avalista da nomeação de Altino Tavares Pinheiro para o cargo de diretor-presidente da Imprensa Oficial do Estado. Empresário da indústria gráfica, mas vivendo um momento adverso, Pinheiro, em seus tempos de opulência, empregou o pai de Heliana, notabilizando-se pelas qualidades que caracterizam o bom patrão, o que não surpreende para quem conhece o temperamento afável e generoso do titular da Imprensa Oficial. Heliana se diz eternamente grata a Pinheiro, salientando que foi como funcionário da Grafisa, a empresa de Pinheiro, que o pai criou os filhos.