sexta-feira, agosto 19, 2005

MARACUTAIAS DA CERPA/“Alemão” pode ser julgado à revelia

Como pela segunda vez consecutiva Konrad Karl Seibel, o “Alemão”, proprietário da Cervejaria Paraense S/A (Cerpa), deixou de comparecer à Justiça Federal, o juiz Rubens Rollo D´Oliveira, da 3ª Vara Federal, decidiu que se o empresário não comparecer para ser ouvido em interrogatório nos próximos 10 dias, a contar desta sexta-feira, 19, será intimado por edital e, se for o caso, julgado à revelia. Seibel responde a processo que apura a existência de caixa 2 e o não recolhimento de contribuições para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) dos empregados da empresa. Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal de prejudicar a instrução processual e o procurador da República Alexandre Silva Soares chegou a pedir - verbalmente - a prisão preventiva do empresário.
Ao anunciar sua decisão de intimar Seibel por edital, o juiz da 3a Vara Penal recordou que os oficiais de Justiça tentaram intimar por sete vezes, sem cucesso, o proprietário da Cerpa. Seibel, que viajou para a Alemanha no último dia 14, deixou de comparecer perante o juízo pela segunda vez consecutiva. Na quinta-feira, 18, a alegação apresentada pelo advogado de empresário foi de que "Alemão" perdeu o vôo que o traria ao Brasil. Até quinta-feira, 18, Seibel se encontrava em Frankfurt, na Alemanha.
Esse episódio é o desdobramento do escândalo deflagrado a partir de uma inspeção do Ministério Público do Trabalho na Cerpa, realizada em agosto de 2004. Na ocasião foram constatadas não apenas fraudes trabalhistas, mas também uma relação de promiscuidade lesiva aos cofres públicos entre a cervejaria e o PSDB paraense. Foi apurado que entre o final da gestão do ex-governador Almir Gabriel e o início da administração do governador Simão Jatene, no período que coincide com as eleições de 2002, a Cerpa, valendo-se de um caixa 2, abasteceu os cofres tucanos com R$ 16,5 milhões, em contrapartida a benefícios e isenção fiscais na ordem de R$ 47 milhões.
Disso resultou um inquérito que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ) no qual o governador Simão Jatene é acusado de corrupção passiva, juntamente com Francisco Sérgio Belich de Souza Leão, atual secretário especial de Governo; Teresa Luzia Mártires Coelho Cativo Rosa, atualmente secretária especial de Gestão; e Roberta Ferreira de Souza, na época secretária executiva da Fazenda, em exercício. Dono da Cerpa, Konrad Karl Seibel, também conhecido como “Alemão”, é acusado de corrupção ativa e falsidade ideológica.