quarta-feira, agosto 24, 2005

PT X PT

Assinada pelos jornalistas Ilimar Franco, Gerson Camarotti e Cristiane Jungblut, sob o título "Governo em crise, PT em guerra", matéria publicada na edição desta quarta-feira, 24, de "O Globo" (oglobo.globo.com/jornal/), comenta os bastidores da luta interna no PT.
Abaixo, a matéria, na íntegra:
“A recusa do ex-ministro José Dirceu (PT-SP) a deixar a disputa pelo comando do PT levou o presidente do partido, Tarso Genro, a desistir de encabeçar a chapa do Campo Majoritário para as eleições de 18 de setembro. Tarso deve anunciar sua decisão hoje, e ontem à noite avisou a petistas que já estava fora da disputa. O impasse na corrente que comanda o PT obrigou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a pedir ao ministro de Relações Institucionais, Jaques Wagner, que tentasse uma solução negociada.
“Wagner reuniu-se de manhã com Dirceu e, no fim da tarde, com Tarso. O secretário-geral do partido, deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), está cotado para assumir a candidatura dos moderados.
“— Não tem conversa. Não serei uma rainha da Inglaterra. Olha o que aconteceu com Genoino. O partido precisa de uma ruptura e de pensar numa recuperação a médio e longo prazos — disse Tarso a petistas.
“À vontade nessa conversa, Tarso afirmou que o partido cometia um erro ao tentar proteger o antigo núcleo dirigente. Disse que o PT não pode contemporizar com a "bancada do Rural" e riu quando foi informado de que Dirceu o havia atacado por suas críticas à política econômica. Tarso vai se reunir hoje com dirigentes do PSB e do PCdoB.
“— Para mim está tudo bem. Posso disputar a presidência ou ir para Itu — afirmou Tarso, numa referência à fazenda onde o ex-presidente Getúlio Vargas viveu após o fim do Estado Novo até ser eleito em 1950.
“À noite, Dirceu teve uma conversa com o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante, e foi direto: disse que não aceita o constrangimento imposto por Tarso e que não sairia da chapa. Dirceu disse que quem iria sair era Tarso:
“— É a humilhação! — desabafou.
“Ontem à noite, depois de um apelo dos prefeitos do PT, Tarso, segundo Marcelo Déda, abriu a possibilidade de aguardar um pouco mais para ver se Dirceu recua.

Alternativa seria um terceiro nome

“À noite, o Planalto tentava nova solução: tanto Dirceu como Tarso sairiam da disputa, abrindo caminho para uma opção de consenso, Berzoini ou Luiz Dulci, secretário-geral da Presidência. O ex-chefe da Casa Civil disse a aliados que a estratégia de Tarso e de Lula era tirá-lo da chapa e, em seguida, do PT. Argumentou que sair da chapa enfraqueceria sua posição na Câmara no momento em que ele se prepara para enfrentar um processo por quebra de decoro parlamentar que pode levar à perda de seu mandato.
“Ontem, Dirceu fez chegar aos ouvidos de Lula que não admitia ser tratado daquela forma e que exigia respeito. Num desabafo, reagiu com veemência ao ultimato de Tarso e disse que, "pela porta dos fundos", não deixaria a chapa e muito menos o PT.
“Lula está trabalhando pela saída de Dirceu. Acredita que o ex-chefe da Casa Civil é um problema para o partido e que agrava mais a crise no PT. Mas para o presidente tudo o que não pode ocorrer neste momento é a implosão do partido. Wagner admitiu que a disputa no PT pode causar problemas no Congresso:
“— Se a gente quer recuperar a relação no Congresso, é evidente que o PT, como maior partido da base, precisa estar em sintonia. Qualquer tensão rebate aqui também. A orientação do presidente é esta.
“No Planalto, as declarações de Tarso foram recebidas com perplexidade. Um auxiliar de Lula avaliou que ele teria jogado a toalha e estaria encontrando uma justificativa para sair do processo eleitoral.
“— Desta forma, ele está querendo encontrar uma justificativa para sair da disputa. Ele não fala mais como dirigente partidário — observou um ministro petista.”