sexta-feira, setembro 30, 2005

A alternativa do casal Garotinho

O Partido Social Cristão (PSC), da base do governo Rosinha Garotinho no Rio, faz parte de um plano B para garantir espaço no palanque das eleições presidenciais do ano que vem para o ex-governador Anthony Garotinho. Como principal peça da nova cartada está a governadora Rosinha Garotinho. Convidada pelo PSC, ela tem até a meia-noite de hoje para trocar de legenda e já teria assinado a ficha de filiação. O plano daria espaço nacional ao casal, caso o PMDB decida depois negar a Garotinho a chapa para disputar a Presidência da República.
A informação é de "O Globo" (oglobo.globo.com/jornal/), em sua edição desta sexta-feira, 30. Segundo o jornal, numa reunião em Brasília na terça-feira, 27, a direção nacional do PSC ofereceu a Garotinho a legenda para disputar a Presidência da República. O ex-governador rejeitou. A segunda proposta foi para que Rosinha se tornasse candidata.
Em seguida, a matéria de "O Globo":

O plano B do casal Garotinho

Maiá Menezes

O Partido Social Cristão (PSC), da base do governo Rosinha Garotinho no Rio, faz parte de um plano B para garantir espaço no palanque das eleições presidenciais do ano que vem para o ex-governador Anthony Garotinho. Como principal peça da nova cartada está a governadora Rosinha Garotinho. Convidada pelo PSC, ela tem até a meia-noite de hoje para trocar de legenda e já teria assinado a ficha de filiação. O plano daria espaço nacional ao casal, caso o PMDB decida depois negar a Garotinho a chapa para disputar a Presidência da República.
Numa reunião em Brasília na terça-feira, a direção nacional do PSC ofereceu a Garotinho a legenda para disputar a Presidência da República. O ex-governador rejeitou. A segunda proposta foi para que Rosinha se tornasse candidata.
A governadora confirmou o convite, disse que vai ficar no PMDB, mas lembrou:
— A política é algo muito dinâmico. A gente nunca sabe o dia de amanhã, muito menos para as eleições. Mas no momento estamos travando uma luta interna dentro do PMDB para ele ser candidato — disse a governadora, em entrevista à rádio Tupi.
O plano, porém, pode esbarrar no TRE, que julga nos próximos dias recursos contra a decisão da Justiça Eleitoral em Campos que tornou Rosinha e Garotinho inelegíveis por três anos por crimes eleitorais durante a campanha do ano passado. Se o TRE mantiver a sentença, a situação do casal se complica, mas ainda poderá haver recurso ao TSE.
A direção do PSC foi orientada por Garotinho a fazer o convite pessoalmente à governadora. O presidente regional do PMDB já trabalha com a possibilidade de Rosinha, depois de escolhida candidata, fazer aliança com algum outro partido e ser vice na chapa de algum outro partido, caso ele não consiga a vaga no PMDB.
— Nós fizemos o convite ao Garotinho porque temos certeza de que ele não terá vaga no PMDB. Aí decidimos convidá-la. Estamos contando que ela aceitará — disse o deputado estadual Marco Figueiredo, um dos cinco que disputarão a reeleição pelo PSC na Assembléia.
A ida para o PSC ampliaria os horizontes políticos da governadora, na avaliação de seus aliados. No PMDB, ela teria que passar por uma apertada disputa interna caso decidisse se candidatar ao Senado ou mesmo ao governo do estado, alternativas que estão entre seus planos. Até agora, o presidente da Assembléia Legislativa, Jorge Picciani, é a aposta do partido para o Senado e o senador Sérgio Cabral Filho, para o governo. A governadora, que já chegou a descartar novos vôos políticos, agora foi "mordida pela mosca azul da política", segundo seus assessores. Seus advogados fizeram consultas informais ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para avaliar os impedimentos legais a uma reeleição. Segundo a assessoria do estado, ela, pela interpretação de alguns juristas, poderia se candidatar.
A governadora foi voto vencido na defesa para que Garotinho se filiasse ao PSC. Na avaliação dela, a situação do ex-governador tende a ficar complicada, porque o PMDB poderá compor com o governo e desistir de uma candidatura própria à Presidência. Já Garotinho aposta que a ala oposicionista do partido sairá vitoriosa no embate com os governistas e não abre mão da visibilidade e do tempo de televisão do PMDB em 2006. Por isso, garante, não trocará de legenda.
Aliados de primeira hora do casal, como os secretários de Ação Social, Fernando William, e de Agricultura, Cristino Áureo, já mudaram de legenda. William para o PMN e Áureo para o PSC.
A cúpula do PSC — que compõe a base do governo Rosinha no Estado do Rio — é formada por aliados de Garotinho. Entre eles, o pastor Everaldo Dias, ex-secretário de Gabinete Civil do ex-governador e vice-presidente do partido. Os ex-secretários de Justiça Hugo Leal e Sérgio Zveiter (que assinaram a ficha de filiação no último dia 19) e o atual chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, também integram o partido — os três serão candidatos a deputado federal.

1 Comments:

At 2:28 PM, Blogger paroara said...

Digamos... um plano be-zinho.

 

Postar um comentário

<< Home