sexta-feira, setembro 02, 2005

As acusações aos ameaçados de cassação

Em seu (excelente) blog (noblat.ultimosegundo.ig.com.br/noblat/), o jornalista Ricardo Noblat elenca as acusações feitas aos parlamentares na mira da degola pelas CPIs que apuram as denúncias de corrupção que varrem o PT e o próprio governo Lula.
Em seguida, o texto do "Blog do Noblat":

O que pesa contra cada um deles

“Do site Primeira Leitura (http://www.primeiraleitura.com.br) :

"O relatório aprovado nesta quinta-feira pelas CPIs dos Correios e do Mensalão faz acusações contra 18 deputados. Abaixo, o resumo do que, de mais importante, as CPIs acharam sobre cada um deles:

Roberto Jefferson (PTB-RJ) – Confessou que recebeu R$ 4 milhões do caixa dois do PT, que teriam sido entregues pelo empresário Marcos Valério;

Carlos Bispo Rodrigues (PL-RJ) – Aparece na lista apresentada por Marcos Valério, entregue à Polícia Federal, como sacador de R$ 400 mil;

João Magno (PP-MG) – Admitiu ter usado caixa dois, quando foi candidato à prefeito de Ipatinga (MG);

João Paulo Cunha (PT-SP) – A mulher dele, Márcia Regina Cunha, sacou R$ 50 mil de uma das contas das empresas de Marcos Valério, na agência do Banco Rural, em Brasília;

José Borba (PMDB-PR) - Nas listas apresentadas por Simone Vasconcelos, gerente-financeira da SMPB, pelo empresário Marcos Valério, aparece como beneficiário de saques no valor de R$ 2,1 milhão;

José Janene (PP-PR) – Na lista de Marcos Valério, o deputado aparece como beneficiário de saques no valor de R$ 4,1 milhões. O dinheiro foi sacado pelo seu assessor João Cláudio Genu;

José Mentor (PT-SP) – Recebeu, por intermédio do seu escritório de advocacia, R$ 120 mil da empresa 2S Participações, de propriedade de Marcos Valério;

Josias Gomes (PT-BA) – Sacou R$ 100 mil em conta de uma das empresas de Marcos Valério, no Banco Rural. Deixou cópia da identidade na agência;

Paulo Rocha (PT-PA) – Segundo Marcos Valério, o deputado recebeu R$ 920 mil. Os saques foram feitos pelos assessores Anita Leocádia Pereira e Charles Santos Dias;

Pedro Corrêa (PP-PE) – O assessor do PP, João Cláudio Genú, declarou à PF, que Corrêa era a pessoa do partido que autorizava os saques das contas de Marcos Valério;

Pedro Henry (PP-MT) – Roberto Jefferson acusou Henry de estar envolvido com o mensalão;

Professor Luizinho (PT-SP) – Aparece como beneficário de um saque de R$ 20 mil na agência da Av. Paulista do Banco Rural. Ele já confirmou saque;

Roberto Brant (PFL-MG) – Na documentação bancária enviada à CPI pelo Banco Rural, Brant aparece como beneficiário de um saque de R$ 102.812,76 da conta de uma das empresas de Marcos Valério;

"Romeu Queiroz (PTB-MG) – Marcos Valério acusou o deputado de receber dele R$ 350 mil;

Sandro Mabel (PL-GO) – Foi acusado por Roberto Jefferson e pela deputada licenciada Raquel Teixeira (PSDB-GO) de oferecer dinheiro para deputados irem para o PL. Teixeira afirmou que recebeu de Mabel proposta de mensalão de R$ 30 mil mais bônus de R$ 1 milhão;

Valdão Gomes (PP-SP) – Na lista de Marcos Valério aparece como beneficiário de repasses no valor de R$ 3,7 milhões;

Wanderval Santos (PL-SP) – Anotações da gerente-financeira da SMPB, Simone Vasconcelos, apontam Santos como beneficiário de repasses no valor de R$ 350 mil;

José Dirceu (PT-SP) – Jefferson acusou o deputado de ser o criador do mensalão e de ter intermediado cargos em empresas estatais para montar esquema de arrecadação de propinas. Dirceu conseguiu um emprego para ex-mulher no BMG e um empréstimo no Banco Rural."