terça-feira, setembro 27, 2005

CHACINA DE ELDORADO/Imprudência de Almir

Com a credibilidade de quem é reconhecidamente uma das maiores autoridades em matéria de Amazônia, no número 138 do seu “Jornal Pessoal”, a mais longeva publicação da imprensa alternativa brasileira, o jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto resumiu a imprudência de Almir Gabriel no episódio da chacina de Eldorado dos Carajás. “Os erros de comando cometidos pelo governador, entretanto, revelam cristalinamente sua forma de agir”, observa Lúcio Flávio, acrescentando que Almir Gabriel se limitou a reunir o secretário estadual de Segurança Pública, Paulo Sette Câmara, o comandante da Polícia Militar, coronel Fabiano Lopes, e o advogado Ronaldo Barata, presidente do Instituto de Terras do Pará (Iterpa), para formar seu juízo sobre a desobstrução da estrada. O jornalista sublinhou ainda que a ordem para a Polícia Militar desobstruir a estrada sequer passou pelo Estado Maior da PM, “onde poderiam ser introduzidos questionamentos técnicos”, e foi reforçada no fatídico dia 17 de abril de 1996, “com ênfase perigosa”, depois que a determinação foi procrastinada em 24 horas.
Se a operação foi imprudente e seus resultados trágicos, a postura de Almir Gabriel foi patética, para ser ameno. Caberia a ele, na condição de governador, assumir o ônus da desastrosa ação, ao invés de negar ter dado a ordem e ao mesmo tempo manter nos seus cargos o secretário de Segurança e o comandante da PM.
Convém recordar, a propósito, a postura assumida pelo então governador Hélio Gueiros, em 1987, quando a Polícia Militar, agindo com selvageria, desalojou um contingente calculado entre 1.500 e 2 mil garimpeiros de Serra Pelada, que interditavam a ponte rodoferroviária sobre o rio Tocantins. O episódio chocou a opinião pública, repercutindo nacional e internacionalmente, falando-se de 26 a 33 mortos, embora oficialmente apenas dois cadáveres fossem identificados. Hélio Gueiros teve a dignidade de assumir o ônus da operação, arcando com a responsabilidade que impõe a condição de governador.