quinta-feira, setembro 01, 2005

Em apuros

“PF vai indiciar Genoino, Duda, Delúbio e Valério” é a manchete da edição desta quinta-feira, 1º de setembro, da “Folha de S. Paulo” (acesso restrito aos assinantes do jornal e do UOL, no endereço eletrônico www1.folha.uol.folha.br.fsp/). A manchete remete à matéria sob o título “PF indiciará Delúbio, Duda, Genoino e Marcos Valério”, assinada por Andréa Michael, da sucursal de Brasília do jornal, cuja íntegra segue abaixo:

“A Polícia Federal decidiu indiciar o ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares, o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza e o publicitário Duda Mendonça por práticas criminosas relacionadas ao "mensalão".
“Entre as acusações que provavelmente serão imputadas aos quatro, pelos indícios reunidos até o momento na investigação, estão crime contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro.
“Conforme a legislação, as penas para tais crimes podem chegar a 10 anos de prisão, além de multa.
“Os indícios mais contundentes para sustentar o indiciamento, conforme os investigadores, são pagamentos feitos a Duda Mendonça no sistema financeiro norte-americano, à revelia da Receita Federal, por meio de uma rede conhecida e acionada pelo empresário Marcos Valério, com as supostas ordens de Delúbio e a conivência de José Genoino.
“Em depoimento à CPI dos Correios Duda afirmou ter recebido em uma conta da empresa Dusseldorf, nos Estados Unidos, pelo menos R$ 10,5 milhões referentes a serviços que prestou em campanhas políticas petistas em 2002.
“A Dusseldorf é uma offshore -empresa cujos nomes dos sócios não são revelados- que o publicitário disse ter aberto nas Bahamas (um paraíso fiscal) por orientação de Valério para receber o dinheiro do PT. O empresário mineiro, por sua vez, nega que tenha orientado Duda a abrir a empresa.
“Os valores depositados na conta da Dusseldorf em uma agência do BankBoston nos EUA têm origem em pelo menos oito contas, conforme documentos que Duda entregou à CPI dos Correios.
“Autoridades de inteligência financeira das Bahamas estão em contato com o Coaf (Conselho de Controle das Atividades Financeira), em uma via de duas mãos: solicitando e fornecendo informações relacionadas à Dusseldorf."