sexta-feira, setembro 09, 2005

Greve na UEPA

Em sua edição desta sexta-feira, 9, em matéria sob o título "Greve na Uepa tem o apoio dos estudanteso", o "Diário do Pará" (www.diariodopara.com.br) revela que professores e técnicos da Universidade do Estado do Pará (UEPA) decidiram entrar em greve, ontem, após negociação com o secretário de Administração, Frederico Monteiro, e a secretária adjunta de Administração, Alice Viana. A categoria considerou “vergonhosa” a proposta do governo do Estado, que na avaliação geral não representou avanço para melhorar as condições de trabalho. Diante disso, os servidores da instituição decidiram por unanimidade, em assembléia-geral, deflagrar a greve, com o apoio dos estudantes.
Em seguida, a matéria sobre o assunto:

“Professores e técnicos da Universidade do Estado do Pará (Uepa) decidiram entrar em greve, ontem, após negociação com o secretário de Administração, Frederico Monteiro, e a secretária adjunta de Administração, Alice Viana. A categoria considerou “vergonhosa” a proposta do governo do Estado, que na avaliação geral não representou avanço para melhorar as condições de trabalho. Diante disso, os servidores da instituição decidiram a greve por unanimidade, em assembléia-geral, com o apoio dos estudantes.
“A principal reivindicação dos funcionários e professores da Uepa é reajuste salarial de 39%, mas o governo apresentou 5% para os professores e reajuste zero para o corpo técnico.
“A assembléia começou às 17h, para apresentar o resultado da reunião com o governo, ocorrida no início da tarde de ontem. A diretora do Sindicato dos Docentes da Uepa, Venize Rodrigues, informou que para os técnicos foi apresentada a proposta de 5% da gratificação do plano de cargos e salários para os efetivos.
“O governo propôs também transformar em temporários os docentes que atuam como serviços prestados, concurso público até o primeiro semestre do ano que vem e prioridade ao plano de cargos e salários elaborado por uma comissão de docentes, técnicos e administração superior da instituição.
““VERGONHA” - “A conclusão é de que não houve avanço, porque o reajuste foi zero e as reivindicações não foram acatadas”, disse a sindicalista, ao explicar que o pagamento de 5% de gratificação de planos de cargos e salários nada mais é que o cumprimento de uma medida garantida no acordo em 1998 e que não foi cumprida. Venize advertiu que a intenção do governo é não pagar o retroativo. “Ou seja, não ofereceu nada para nós”, ressalta.
“Quanto à proposta de transformar em temporários os professores que prestam serviços, ela explica que o governo apenas cumpre determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em termo de ajustamento de conduta.
“O pior, na avaliação dela, é o percentual de reajuste de apenas 5% para os professores e de zero para os técnicos. “A proposta é uma vergonha e uma intransigência do governo”, conclui Venize.
“O movimento dos professores e técnicos da Uepa tem o apoio dos estudantes, que fazem hoje uma assembléia, às 18h, na universidade, para discutir a forma do apoio. A proposta é de uma pauta de luta pela melhoria do ensino na universidade.
“O presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Felipe Alex Santiago Cruz, informa que, dependendo do resultado da assembléia, os estudantes estão dispostos a fechar a avenida Almirante Barroso para chamar a atenção da sociedade para a situação de penúria da instituição.”