sexta-feira, setembro 30, 2005

José Alencar em parceria com o bispo Macedo

"Vice de Lula muda para o partido do bispo Macedo" é a manchete da edição desta sexta-feira, 30, de "O Globo", (oglobo.globo.com/jornal/), que remete à matéria sob o título "Vice vai se queixar com o bispo", que noticia a fialiação do vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar, ao recém-criado Partido Municipalista Renovador (PMR), fundado pela Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo. "Foi a mudança mais surpreendente num dia de intenso troca-troca partidário. Não bastasse, o novo presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), estreou insistindo em tentar adiar o prazo para mudanças na lei eleitoral de hoje para 31 de dezembro, o que é considerado um casuísmo por partidos de oposição no Congresso", acrescenta a notícia de "O Globo", abaixo transcrita:

Vice vai se queixar com o bispo

Adriana Vasconcelos, Gerson Camarotti e Sueli Cotta
BRASÍLIA e BELO HORIZONTE

Na véspera do fim do prazo de filiação partidária para quem vai disputar as eleições do ano que vem, o vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar, se filiou ontem ao recém-criado Partido Municipalista Renovador (PMR), fundado pela Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo. Foi a mudança mais surpreendente num dia de intenso troca-troca partidário. Não bastasse, o novo presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), estreou insistindo em tentar adiar o prazo para mudanças na lei eleitoral de hoje para 31 de dezembro, o que é considerado um casuísmo por partidos de oposição no Congresso.
Com a mudança, José Alencar afasta definitivamente a possibilidade de disputar a reeleição na chapa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ao assinar a filiação, o vice disse que não é candidato a nada, mas pode ser candidato a qualquer coisa, de deputado estadual a presidente da República. Para explicar a escolha, disse que o PMR é um partido novo.
O senador e bispo da Universal Marcelo Crivella (RJ), que também trocou o PL pelo PMR, disse que o partido vai se manter na base governista, sob a liderança de Alencar:
— O apoio será por dever de consciência, mas não nos peçam para apoiar a política dos juros altos.
O novo partido conseguiu seu registro definitivo em agosto e poderá mudar de nome, na sua próxima convenção, para Partido Republicano (PR). O senador Aélton Freitas (MG), suplente de Alencar, também foi para o PMR. O partido deve ganhar dois outros filiados de peso: o economista Mangabeira Unger e o ex-ministro Raphael de Almeida Magalhães. Ontem Alencar avisou a Lula da mudança.
— O presidente Lula respeitou a saída dele, embora preferisse que ficasse no PL. Vários partidos convidaram o vice e ele achou que era melhor começar num partido pequeno, que está começando, para não entrar em conflito com outras pessoas — disse o ministro das Relações Institucionais, Jaques Wagner.

Só em setembro, 26 mudanças

A filiação de Mangabeira e de Raphael de Almeida Magalhães seria uma estratégia do PMR para que sua imagem não fique vinculada só à Igreja Universal. Mangabeira foi um dos coordenadores da campanha de Ciro Gomes a presidente em 2002. Professor de direito de Harvard, ele quer ser candidato a presidente no ano que vem, mas Alencar quer o mesmo.
Outra expectativa do dia não se confirmou: assediado pelo PSDB nas últimas semanas, o presidente da CPI dos Correios, senador Delcídio Amaral (MS), decidiu ficar no PT depois de conversar com Lula.
— O presidente me pediu para ficar no PT e eu vou ficar — disse Delcídio a amigos.
O senador Leomar Quintanilha (TO) trocou o PMDB pelo PCdoB do novo presidente da Câmara. A troca foi ironizada pelo líder da bancada peemedebista, Ney Suassuna (PB), ao lembrar que Quintanilha é fazendeiro:
— Ficamos tristes com sua saída. Mas ele vai gostar de ouvir o brado da juventude comunista: Brasil! Araguaia! Queremos a reforma agrária!
A expectativa do PMDB é ganhar dois senadores hoje. Também devem se filiar ao partido os governadores Eduardo Braga (AM) e Paulo Hartung (ES). Ontem, o ex-presidente do STF Maurício Corrêa foi para o PMDB a convite do ex-presidente Itamar Franco.
Na Câmara, até ontem, a Secretaria Geral da Mesa registrara 26 mudanças partidárias em setembro. Chamou a atenção a diminuição da bancada petista, que encolheu de 89 para 83 deputados. Além do deputado Miro Teixeira (RJ), que deixou o PT para voltar ao PDT, outros cinco parlamentares foram para o PSOL.