quinta-feira, setembro 22, 2005

Major denuncia maracutaias na PM

Em denúncia formalizada ao próprio governador Simão Jatene (PSDB) e ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado Mário Couto (PSDB), o major PM Walber Wolgrand Menezes Marques acusa o comando da Polícia Militar do Pará e a Comissão de Promoção de Oficiais (CPO) da corporação de patrocinarem irregularmente promoções de oficiais e praças. Em sua denúncia, Wolgrand, como é conhecido o major, relata que o comando geral e a CPO da PM não publicaram os quadros de acesso por antiguidade e merecimento, nem a apuração das vagas para as promoções, contrariando a lei que normatiza as promoções e seu regulamento.
As denúncias feitas por Wolgrand ecoaram na Assembléia Legislativa do Pará, através da deputada Sandra Batista (PC do B). Nenhum dos dois maiores jornais diários de Belém – “O Liberal” e “Diário do Pará” – repercutiram as denúncias da parlamentar.

Perfil do major

Graduado e licenciado pleno em filosofia pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e graduado em direito pela Universidade da Amazônia (Unama), Wolgrand é também especialista em saúde mental e justiça pela Universidade de São Paulo (USP) e pela UFPA. Ele é ainda professor de filosofia do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet).
Wolgrand foi reformado por ato do governador Simão Jatene, a pretexto de que a lei veda ao policial militar manter atividades paralelas as exercidas na PM.

Retaliação

Wolgrand atribui ter sido despachado para a reserva a uma retaliação política. Ele recorda que a 22 de setembro de 2004 denunciou as irregularidades patrocinadas pelo comando geral e pela CPO no processo de promoções ocorridas em setembro daquele ano. A denúncia formulada ao governador Simão Jatene foi feita em ofício devidamente protocolado, cuja cópia é exibida pelo major. Também em ofício devidamente protocolado, e cuja cópia é também por ele exibida, Wolgrand levou as denúncias ao deputado Mário Couto, presidente da Assembléia.
Citando a lei no 5230, de 18 de julho de 1985, Wolgrand relata que a legislação que disciplina a fixação de efetivo da PM prevê para esta um efetivo de 7.114 policiais. Hoje, segundo o major, o efetivo da PM estaria em torno de 12 mil homens. Isso permite concluir, de acordo com Wolgrand, que “a apuração de vagas para promoções não passa de uma simulação”.