quinta-feira, setembro 08, 2005

Pelos jornais

Na esteira da pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) encomendada pelo “Diário do Pará” e que registra um empate técnico entre este e “O Liberal” nos dias úteis, de acordo com a campanha publicitária do jornal da família Barbalho, as Organizações Romulo Maiorana decidiram investir nos jornais do grupo.
Depois das contratações feitas por “O Liberal” – reforçado pelos jornalistas Marta Brasil, Pedro Paulo Blanco, Anderson Araújo e Jorge Hebert, todos profissionais de competência e experiência comprovadas -, as ORM estão investindo também no “Amazônia Jornal”, originalmente concebido para ser o jornal popular do grupo.

Mudanças gráficas

Segundo informações não confirmadas, um novo projeto gráfico para o “Amazônia Jornal” já estaria sendo elaborado por uma empresa especializada - que uns dizem ser de São Paulo, e outros, do Rio.
A mesma empresa também teria sido encarregada de alterar o grafismo de “O Liberal”.
As mudanças gráficas em ambos os jornais do grupo seriam feitas sob a supervisão do jornalista Walmir Botelho, diretor redator-chefe de “O Liberal”.

Novas contratações

Ao mesmo tempo, a equipe do “Amazônia Jornal” acaba de ser reforçada com a contratação dos jornalistas Elvis Rocha, Karime Darwich e Fátima Gonçalves, todos três profissionais reconhecidamente competentes.
Elvis Rocha, que ganhou visibilidade como um excelente repórter e pavimenta uma bem-sucedida carreira como editor, respondia pela edição do “Bola”, caderno de esporte do “Diário do Pará”.

Perfil

Karime Darwich, uma profissional experiente, até recentemente editava os cadernos “Diário da Família” e “Diarinho”, além da coluna “Look”, no “Diário do Pará”. Após sair do jornal, ela investiu na carreira solo, como editora da revista eletrônica “Max” (www.karime.net).
Fátima Gonçalves, uma jornalista igualmente experiente, atuou como repórter na extinta “A Província do Pará”. Até recentemente trabalhava na assessoria de comunicação da Prefeitura de Belém.

Leitura

Na versão que circula nas redações de “O Liberal” e do próprio “Amazônia Jornal”, a leitura da direção das ORM é de que o grupo precisa investir mais no “Amazônia Jornal”, para qualificá-lo como um concorrente direto do “Diário do Pará”.
Quanto a “O Liberal”, a política seria consolidar a liderança do jornal no mercado, que, intramuros, a diretoria das ORM duvida que esteja ameaçada.