segunda-feira, outubro 10, 2005

A beleza da fé

Comovente, como sempre, o espetáculo de fé proporcionado pelo Círio de Nazaré, cuja devoção dos fiéis faz da procissão em louvor à padroeira dos paraenses a maior manifestação de religiosidade do Brasil, ainda que a visão colonialista do sul-maravilha impeça a grande imprensa nacional de conceder este reconhecimento.
Quanto a suposta rapidez do Círio este ano, convém considerar que uma procissão que se estende por quase cinco horas está de bom tamanho. Mais que isso é pretender inverter a hierarquia das coisas e sobrepor a mercantilização do Círio a fé .

7 Comments:

At 8:30 PM, Blogger 23x8 said...

V. tem toda razão.A procissão,este ano,foi de ótimo tamanho.

 
At 11:39 PM, Blogger paroara said...

Acreditar no "preconceito do sul-maravilha" como resposta a nossa ausência permanente, ao menos com valores positivos, no noticiário nacional, não é rima, nem solução.
Senão o que diríamos do sucesso de mídia que é o vizinho Amazonas, que possui menor diversidade de tradições culturais e história quando comparado conosco?
Será porque eles tem o Boi de Parintins, o Teatro Amazonas e a Zona Franca de Manaus? E ponto?
Portanto, nem tanto ao mar, nem tanto a terra. Vamos ser justos e por a carapuça na cabeça da falta de articulação e desinteresse dos orgãos noticiosos paraenses e das autoridades estaduais, pois assim a explicação fica mais condizente com a realidade dos fatos.
E a propósito, ao noticiar as pedradas que sofreu a réplica da imagem de N. Sra. de Nazaré no CAN, a Universo On Line (Folha de São Paulo), diz logo nas primeiras linhas:
A imagem da Nossa Senhora de Nazaré carregada na procissão do Círio --a maior manifestação religiosa do país --foi parcialmente destruída (...).

 
At 8:53 PM, Blogger paroara said...

E hoje, 11/10, o noticiário nacional divulga amplamente que no treino da seleção brasileira em Belém, morreu uma garota de 10 anos e 100 pessoas ficaram feridas em decorrência do tumulto que se instalou nas imediações do Mangueirão, com origem na incompetência dos orgãos que administram o estádio e da Polícia Militar, totalmente despreparados para organizar uma operação fundamentada em planejamento prévio para a segurança do acesso a aquele logradouro público.
Queremos o que, se nos especializamos na produção vergonhosa de notícias que demonstram a incúria e o desmazelo das autoridades paraenses para com a coisa pública e a vida humana?
Queremos o que, quando uma elite grotesca se embevece com devaneios arquitetônicos chavistas, pensando que elas nos colocam em pé de igualdade com regiões mais desenvolvidas do País?
Se pararem para pensar nenhuma Estação para Felizes Lusitânias em Mangais das Garças resiste ao dano provocado na imagem do estado pelo massacre de sem terras anônimos ou de freirinha idosa norte-americana no interland paraense - ou será que pensam que as pedradas na Virgem de Nazaré e os assaltos humilhantes ocorridos no interior do Pará, sem contar o infindável rol de agredidos, roubados e estuprados na região metropolitana de Belém, colados não provocam uma estranha e progressiva náusea em quem nos observa?
Desse jeito, indo como vamos, até os urubús do Ver-o-Peso em breve nos deixarão.

 
At 1:38 PM, Blogger Aletheios said...

Pelo menos a beleza da fé nos negócios; realidade que diz oque a festa significa. Ótimo comentário do Paraoara sobre o oportunismo lastimável que reina na política paraense. A política aqui tem a finalidade clara de servir a uma casta e nao à populacao.

 
At 3:31 PM, Blogger 23x8 said...

Nunca me canso em incluir o Ministério Público do Estado em lugar de destaque na cena politica deste infeliz estado.E sua melhor representação está na cara do Procurador Geral e sua expressão de "cabra macho",que insisto também,não assusta nem menino de colégio.Que imundície!

 
At 12:17 AM, Blogger 23x8 said...

Alguém viu uma barata por aí?

 
At 10:37 AM, Blogger 23x8 said...

Baraaata...Baratiiinha.
Aonde está voce?

 

Postar um comentário

<< Home